Normas Científicas

1. Período de Submissão dos Resumos de Trabalho:

1ª chamada:

O período de submissão do resumo ocorrerá entre às 00:00 do dia 11 de janeiro de 2017 até as 23:59 do dia 11 de fevereiro de 2017.

2ª chamada:

O período de submissão do resumo ocorrerá entre às 00:00 do dia 12 de fevereiro de 2017 até as 23:59 do dia 15 de abril de 2017.

3ª chamada:

O período de submissão do resumo ocorrerá entre às 00:00 do dia 16 de abril de 2017 até as 23:59 do dia 28 de maio de 2017.

2. Prazo de envio de trabalho completo

  • 1ª chamada – até as 23h59 do dia 10 de abril de 2017.
  • 2ª chamada – até as 23h59 do dia 10 de maio de 2017.
  • 3ª chamada – até as 23h59 do dia 10 de junho de 2017. Novo prazo

 

2.1. Prazos de correções de trabalho

Caso o trabalho seja aceito com pendências, estas deverão ser atendidas pelos autores e o trabalho reenviado para nova análise até as datas segundo as chamadas:

  • 1ª chamada – até as 23h59 do dia 30 de abril de 2017.
  • 2ª chamada – até as 23h59 do dia 20 de maio de 2017.
  • 3ª chamada – até as 23h59 do dia 10 de julho de 2017. Novo prazo
  • Acesse a página de reenvio de publicação

2.2 Nota de Esclarecimento

Aos congressistas que enviaram os trabalhos no prazo da segunda chamada e efetuaram já o seu pagamento referente à taxa de inscrição, poderão enviar O TRABALHO COMPLETO ATÉ DIA 10 DE MAIO, com prazos para ajustes até dia 20 de maio.

3. Orientações Gerais:

Para que os artigos sejam incluídos na programação e sejam publicados nos anais do congresso o autor e coautores deverão estar inscritos no evento. Cada participante inscrito poderá submeter 1 trabalho como autor e até dois como coautor. Os orientadores dos trabalhos precisarão ter vínculo com universidades ou faculdades e serão certificados por orientações.

4. Elaboração do Resumo:

O trabalho deve ser escrito em português, com de 200 até 500 palavras (excluindo o título, nome de autores, filiação e palavras-chave), 3 a 6 palavras-chave, formato em papel A4, Fonte Times New Roman 12, espaço simples; margens de 2 cm. Elaborar em Word for Windows.

Após preencher o formulário de inscrição envie o resumo do trabalho no modelo em MS Word

5. Submissão do Resumo do Trabalho:

O resumo deverá ser enviado pelo formulário junto com a inscrição. Anexando o resumo pelo formulário abaixo da inscrição . Após envio, aguardar e-mail de confirmação de recebimento pelo comitê científico. Trabalhos fora da formatação serão devolvidos.

No momento do envio os autores deverão informar o eixo temático e grupo de trabalho de adequação de seu trabalho e a modalidade de apresentação de sua preferência, podendo ser oral ou pôster. Entretanto, o parecer final sobre a modalidade de apresentação será a cargo da comissão científica.

Eixos temáticos para submissão dos resumos:

  1. Educação e Cultura
  2. Educação e Interdisciplinaridade

6. Seleção:

Os trabalhos a serem apresentados no CONEPI terão seus resumos avaliados por pareceristas Ad hoc e serão aprovados após análise de mérito. É de responsabilidade da comissão científica avaliar a qualidade científica e formatação do resumo. O Comitê Organizador aceitará ou rejeitará o trabalho de acordo com os pareceres.

7. Resultados:

De acordo com os envios dos resumos, a qual é enviado junto com a inscrição, a banca estará enviando a carta de aceite em tempo hábil, para as correções que deverão ser enviadas para o CONEPI. Após o aceite, do resumo do trabalho, o congressista deverá gerar o seu boleto e efetuar o pagamento para a efetivação da sua inscrição.

8. Apresentação do Pôster:

A elaboração e confecção do banner para a apresentação sob a forma de pôster é de inteira responsabilidade do autor e coautores, seguindo as orientações do evento.

Os painéis podem medir até 120 centímetros de comprimento e até 90 centímetros de largura. A fixação e retirada dos mesmos é de responsabilidade dos autores.

A informação nele contida deve ser legível de modo a permitir uma leitura fácil, devendo apresentar os principais aspectos da pesquisa, estando de acordo com o resumo submetido.

Os trabalhos também serão publicados nos anais, com ISBN, de acordo com a normas de publicação da biblioteca nacional.

MODELO DE POSTER CONEPI 2017

 

9. Apresentação oral:

Recomenda-se que os autores utilizem entre 10 e 12 minutos, reservando entre 5 minutos para as perguntas e respostas, ao final da apresentação.

Em cada uma das sessões técnicas haverá monitores que auxiliarão o coordenador na organização da sessão, como conferência dos trabalhos e controle do tempo das apresentações.

Os autores deverão estar presentes no local da apresentação 30 minutos antes do início da sessão a fim de transferir o arquivo da apresentação para o equipamento disponibilizado na sala.

A ordem de apresentação será previamente divulgada.

O autor do trabalho receberá o certificado de apresentação. O trabalho será ainda publicado sobre a forma de ANAIS que será divulgado posteriormente no site eletrônico do evento.

10. Estrutura do Artigo Científico

O artigo deverá ser elaborado em, no mínimo, 10 (DEZ) e, no máximo, 15 (QUINZE) LAUDAS. Deverá ser organizado contendo: título (centralizado), autor, coautor(es), orientador alinhado à esquerda com suas requeridas instituição(ões) de origem.

Estrutura: introdução, objetivos, metodologia, fundamentação teórica, resultados e discussão, conclusão e referências.

Obs.: Ao longo do trabalho poderá conter tabelas e/ou figuras.

O texto deverá ser elaborado em formato Word na versão 2007 ou inferior, tamanho A-4, margens superior/esquerda 3,0 cm e inferior/direita 2,0 cm. Deve ser empregada fonte TIMES NEW ROMAN, tamanho 12, justificado e espaçamento 1,5.

Título: letras maiúsculas, negrito, centralizado e regular, fonte TIME NEW ROMAN, tamanho 14. Deixar 1 linha em branco após o título.

Autores: inserir o(s) nome(s) completo(s) do(s) autor(es), alinhado à direita, fonte TIMES NEW ROMAN tamanho 12. Deixar 1 linha em branco após a indicação de autoria do trabalho.

Coautores: Serão aceitos até dois coautores e um autor por trabalho, fonte TIMES NEW ROMAN tamanho 10.

Origem acadêmica dos autores e coautores: inserir nome completo da instituição de origem, entre parênteses após o nome do autor ou coautor, fonte TIMES NEW ROMAN tamanho 10, seguido do e-mail. Deixar 1 linha em branco.

Obs.: Os trabalhos só serão aceitos aqueles que seguirem rigorosamente a ABNT.

11. Informativo sobre o pagamento

Todos os participantes, sejam apresentadores de trabalho ou não, autor e coautor e também o orientador devem efetuar a inscrição, através do formulário e pagamento da taxa, conforme a tabela dos valores por chamada. Dessa forma, precisa-se efetuar o pagamento dentro do prazo da chamada vigente quando inscreveu para garantir o valor atual.

Todos os participantes tem direito ao certificado.

11. Inscrição para professores da PMJP

Atenção, você que é professor ou funcionário da Prefeitura Municipal de João Pessoa temos descontos especiais na sua inscrição. Confira abaixo os planos:

1º Chamada:

  • 12/04 a 12/05 – R$ 75,00: Inscrição com apresentação de trabalho e 1 minicurso
  • 12/04 a 12/05 – R$ 65,00: Inscrição sem apresentação de trabalho e 1 minicurso

2ª Chamada:

    • 13/05 a 05/06 – R$ 85,00: Inscrição com apresentação de trabalho e 1 minicurso

Prazos: Envio do resumo até 30/05 e trabalho completo até 05/06.

  • 13/05 a 10/05 – R$ 75,00: Inscrição sem apresentação de trabalho e 1 minicurso

Obs.: Para a submissão da proposta de trabalhos favor conferir a lista dos Grupos de Trabalhos (GT’s). Como professor aproveite para publicar suas vivências pedagógicas em nossos GT’s.

12. Inscrição para estudantes de ensino médio e técnico

Nessa reta final uma nova modalidade foi lançada, dessa vez, para beneficiar os estudantes de ensino médio e técnico para participarem deste grande congresso. Os trabalhos serão publicados, conforme as normas expostas no site e de acordo com a ABNT. Confira a seguir os prazos:

Prazo com trabalho: 02/05/17 a 30/05/17

Modalidade banner com publicação nos anais.
Valor da inscrição: R$ 80,00

Prazo sem trabalho: 02/05/17 a 10/06/17

Valor da inscrição: R$ 75,00

Grupos de Trabalho

Educação e Cultura

GT 01 – Educação inclusiva: rumos e desafios para o ensino de LIBRAS

Prof.ª Ma. Marie Goret Dantas de Assis e Medeiros Batista

Este GT congrega trabalhos que discutam a educação e as práticas inclusivas, trazendo à tona o debate sobre o ensino de LIBRAS e a Cultura Surda.

GT 02 – Literatura e Ensino: diálogos necessários

Profª. Drª. Luciane Alves Santos (UFPB); Profa. Dra. Emannuelle Carneiro da Silva

O GT busca refletir sobre as práticas e estratégias que norteiam o ensino de literatura e, também, reconhecer que ela [a literatura] deve ocupar lugar privilegiado na hierarquia das aprendizagens como prioridade na formação humana. Considerando esses apontamentos, pretendemos reunir pesquisadores interessados em ampliar o debate em torno do tema, bem como dialogar sobre princípios teóricos e metodológicos capazes de ressignificar a leitura literária no ambiente escolar.

GT 03 – Educação, Gênero e Sexualidade

Prof. Ms. Jhonatan Leal da Costa (UEPB)

O GT alberga pesquisas, concluídas e/ou andamento, que se debrucem sobre os estudos de gênero em conexão com a Educação. Explora, ainda, os conceitos de sexo, sexismo e sexualidade, articulando-os à noção de corpo.

GT 04 – Crítica e Adaptação: Diálogos entre Literatura e Cinema

Prof.ª Dr.ª Amanda Ramalho de Freitas Brito (UNEAL/UFPB)

Este GT tem o intuito de reunir trabalhos que discutam a relação dialógica entre Literatura e Cinema, tendo por base, especialmente os estudos de adaptação, recurso interessante porque nos permite pensar a aproximação entre sistemas semióticos (artísticos) diferentes e verificar como um modo narrativo adquire significação a partir de outro. Serão aceitas pesquisas que levantem questões sobre tal processo e a importância de estudá-lo para discutir os modos de representação artística e as nuances críticas que envolvem o trabalho analítico e os sentidos sugeridos pela relação dialógica entre os textos fílmicos e os textos literários.

GT 05 – Novos Paradigmas das Culturas Populares: da Tradição à Pós-Modernidade Líquida

Prof.ª Dr.ª Beliza Áurea de Arruda Mello (UFPB)

Uma das marcas das culturas populares é a da heterogeneidade e do multiculturalismo. Estudada desde o século XIX a partir do paradigma do folclorismo e, portanto, no interior das Ciências Humanas, podem ser verificadas suas diferentes concepções. As culturas populares, aqui serão examinadas sob uma abordagem transdiciplinar, surgida, principalmente a partir dos anos 70 do século XX, quando aumenta significativamente a massa crítica nessas pesquisas no Brasil. Nesse sentido, pretende-se ter nesse simpósio uma espécie de instagran fotográfico a performance das culturas populares , que objetiva discutir essas pesquisas em seus múltiplos espaços, fotografando-o na contemporaneidade e , também, analisando conceitos na linha do tempo como tradição/transformação,ou seja, a movência dessas culturas e sua sustentabilidade como propostas dialéticas ao tempo cronológico. O simpósio se propõe ser um instrumento para aquilatar as mudanças fundamentais na área, quando os modos de produzir conhecimento se defrontam com novos paradigmas que abalaram os alicerces das pesquisas nas ciências sociais e humanas , tanto do ponto de vista teórico como metodológico a partir de estudos críticos marxistas, pós-estruturalistas, discursivos, icônicos, cibernéticos, pós-colonial, feminista, queer, identitários, multiculturais etc., que atravessam essas áreas, problematizando, entre outros aspectos, o sujeito social, que passa a ocupa e responder às demandas epistemológicas atuais e, principalmente, cada vez mais glocalizado (Robertson, 1995), translocalizado (Appadurai, 1996 e Blomnaert, 1995) ou de uma modernidade líquida (Baumamn, 2000), ou seja, um mundo de movências, de mobilidade, de fluidez, de redes digitais, de fronteiras esmaecidas dos estados-nação, de dessencializações identitárias e linguísticas, convivendo lado a lado com um mundo localizado e, muitas vezes, excluído das redes sociais e de tantos outros bens simbólicos e materiais que o cerca cotidianamente, exigindo desses sujeitos sociais uma reinvenção de si.

GT 06 – Educação Patrimonial: memória e identidade

Ms. Mirella de Almeida Braga

O GT trará o debate da Memória individual e coletiva, buscando refletir sobre questões relativas às dinâmicas contemporâneas que, ao longo dos últimos anos, agrupam-se em torno da memória, identidade e do espaço, articuladas com as formas de manifestações culturais materiais e imateriais. Iremos expor, ainda, a construção da memória em patrimônio cultural e os usos políticos do passado. Além de objetivar a discussão do espaço e sua relação com o lugar da memória, proporemos um diálogo com as mais diversas perspectivas analíticas que envolvem a temática, levantando novas questões acerca do patrimônio, identidade e memória.

GT 07 – Educação, Patrimônio Sacro e Revitalização

Prof. Ms. Siellyson Francisco da Silva

Este grupo tem como objetivo refletir sobre as práticas de poder, exercidas pela religião durante o Brasil Colônia e Império e sua herança histórica patrimonial para nossos dias.

GT 08 – Educação Patrimonial e Turismo

Prof. Ms. Darllan da Rocha

Dentre as ramificações das atividades turísticas, têm-se destacado o Turismo Cultural como forma de viabilizar a manutenção de tradições e de difusão dos Patrimônios Culturais. Vários equipamentos turísticos são construídos em diversos lugares, sob diversos modelos cujos impactos são variados e difusos. Assim, o estudo sobre o Turismo Cultural é profícua área de pesquisa, devido a sua expansão e interesses de órgãos públicos e privados, bem como o protagonismo de comunidades para construção de experiências turísticas a partir do Patrimônio Cultural. Neste sentido, compreender os processos de criação e consolidação desses equipamentos, concerne apreender o envolvimento dos atores sociais que visitam e/ou são visitados.

Destarte, este Grupo de Trabalho objetiva compreender diversos casos e processos sociais, sob a perspectiva da experiência turística, da Educação Patrimonial como instrumento de preparação, instrução e atração para o Turismo Cultural.

GT 09 – Patrimônio Cultural e Desenvolvimento

Prof. Luciano Souza

A construção de uma noção abrangente do que venha a ser patrimônio cultural e a ampliação da política de preservação do patrimônio cultural fez com que este termo fizesse parte, cada vez mais, da agenda do governo.

No mesmo sentido, a ampliação da noção de meio ambiente, principalmente a partir da década de 1970, fez com que o componente humano e sua cultura estivesse mais próximo do que se convencionava entender sobre o termo meio ambiente até aquela década, muito relacionado aos aspectos naturais do mundo.

Os temas acima serão analisados a partir de discussões epistemológicas, político-institucionais e legais elaboradas em vários períodos, a fim de refletir como se deu a constituição destas noções e como elas foram abordadas nos processos relacionados ao desenvolvimento econômico. Para analisar esta relação (meio ambiente, patrimônio cultural e desenvolvimento econômico), o licenciamento ambiental é um campo extremamente interessante e conflituoso e, por isso, abordaremos os aspectos legais e teóricos que norteiam este campo.

Educação, Interdisciplinaridade e diversidade

GT 10 – Neurociência, cognição e desenvolvimento humano

Prof. Dr. José Ferrari Neto

Este Grupo de trabalho centra-se na discussão sobre o desenvolvimento humano na perspectiva da neurociência e da cognição, congregando trabalhos de diferentes áreas, tais como: linguística, fonoaudiologia, psicologia e áreas afins.

GT 11 – Educação e formação docente (profissionais que fazem parte do espaço escolar*)

Prof.ª Rita de Lúcia Gomes

Este grupo tem a função de refletir sobre a prática docente, desde a formação inicial, trazendo à tona o debate sobre os diferentes agentes que constituem o espaço escolar, tais como: *Intérprete de LIBRAS, Psicopedagogo, Neuropsicopedagogo, professores e outros.

GT 12 – Educação e Currículo: desafios e perspectivas

Prof.ª Ms. Cristiane Sousa de Assis

O GT trará a discussão sobre o currículo e como ele vem sendo aplicado no espaço escolar, além de trazer o debate frutífero sobre os novos rumos educacionais no que tange às modificações curriculares do ensino básico.

GT 13 – Práticas Interdisciplinares e desenvolvimento humano no contexto da aprendizagem no espaço escolar

Prof. Ms. Ednildon R. Fidelis Júnior

Este GT terá como foco o estudo das relações complexas e recíprocas entre corpo e mente, tendo como principal foco a externalização física das manifestações psíquicas através do movimento, expressões corporais e posturais envolvendo componentes cognitivos, comportamentais e emocionais. Dessa forma a atividade motora e mental são intimamente ligadas, com influências mútuas, através de seus dois componentes essenciais, o sócio afetivo e o cognitivo.

Espera-se que a discussão venha a contribuir com a formação dos profissionais ao difundir conhecimentos distintos em psicomotricidade, proporcionando uma visão abrangente do tema e subsidiando a concepção interdisciplinar. Ao expor várias perspectivas intervencionistas, pretende-se que o debate possibilite o norteamento de condutas e tomadas de decisões em contextos ligados a saúde e aprendizagem.

GT 14 – Dificuldades de aprendizagem e socialização no espaço escolar

Prof.ª Ms. Karla A. Carlos

Este GT congregará trabalhos que discutam as dificuldades de aprendizagem, habilidade e competências no ensino básico de crianças com deficiências na aprendizagem, bem como crianças com necessidades especiais tais como: TDAH, síndrome de dawn, síndrome de asperger e etc.

GT 15 – Psicanálise e Cultura: arte, corpo e novas formas de subjetivação

Prof. Dr. Hermano de França Rodrigues (UFPB)

O GT acolhe pesquisas que, alicerçadas nos estudos psicanalíticos, busquem compreender a arte (literária, cinematográfica, musical etc) como territórios capazes de reverberar a subjetividade humana, em seus novos/antigos funcionamentos.

Trabalhos Aprovados